Press "Enter" to skip to content

Como escolher o melhor sócio para o seu negócio? Conheça os diferentes perfis de sócios

0

Todo mundo conhece a história de alguém que já se deu mal com sociedade que não deu certo. Pois é, isso é muito mais comum do que se imagina. Sociedade, na minha definição, é um casamento sem sexo! Imagine que para casar você namora, depois fica noivo e após bastante dedicação e êxito durante essas fases, o casal opta pela união matrimonial. Se para casar precisamos fazer todo esse preparatório para acertarmos na escolha, no processo de sociedade não é diferente. Um sócio é a pessoa que irá dividir com você alegrias e tristezas, também passarão por momentos de fartura e de escassez. São aqueles que comungam vitórias e enfrentam as derrotas. Diante disso, podemos entender que sócios se tornam pessoas muito importantes em nossas vidas e por isso temos que tomar muito cuidado sobre quem escolhemos para esse importante papel. A partir de agora, irei listar alguns tipos de sociedade e seus pontos fortes e fracos segundo a minha experiência e conhecimento prático sobre o assunto.

Sócio amigo – Muito comum nas primeiras experiências empreendedoras, escolher um sócio por confiança tem suas vantagens, mas o risco de acabar a amizade é eminente. Para que as sociedades que envolvem amizades deem certo, busque observar se o seu amigo possui as características necessárias para agregar valor ao negócio e cumprir um papel que se sustente a longo prazo.

Sócio parente – Minha mulher ou marido é meu sócio. Não importa. O fato é que o escolhido para ser seu parceiro na formação de uma família é uma opção muito peculiar. Casais que não combinam bem a sociedade acabam em divórcio. Se os problemas de trabalho invadirem a sua casa ou vice verso, existe uma grande possibilidade de sua vida ficar bem complexa. Porém, quando acertam as combinações profissionais e os limites de cada um sem que as relações se misturem, são candidatos a uma vida plena no âmbito pessoal e profissional.

Sócio investidor fake – É fácil encontrarmos pessoas que possuam um projeto formatado que falta apenas o capital inicial. Hoje, no mundo das startups, é praxe encontrar empresas e empresários que façam o papel de investidor anjo ou usem suas estruturas para acelerar negócios. O cuidado, nesse caso, tem que ser com os investidores fakes. Certa vez, vi o caso de uma sociedade cujo valor do investimento total era cerca de R$ 100 mil. O investidor entrou com R$ 20 mil e o restante foi tudo financiado para pagar com os dividendos gerados pelo próprio negócio. A sociedade não se sustentou no longo prazo e a empresa faliu.

Sócios idênticos – Na hora de escolher alguém para entrar em algo como seu sócio, é importante ter um autoconhecimento que faça você enxergar seus pontos fracos e fortes. Digo isso, porque encontrar um sócio que tenha características idênticas as que você possui é desperdício e pouco agregador. O ideal é encontrar parceiros que completem suas características profissionais e somem valores e talentos, para buscarem o êxito de maneira mais forte e assertiva.

Sócio pilantra – É triste, mas bem comum! Quem possui desvio de caráter na vida, normalmente repete esse comportamento em relacionamentos de sociedade. Esse é um tipo de sócio que poderíamos dedicar um artigo inteiro, visto que existem diferentes níveis e formas de atuação de sócios malandrinhos. Se em algum momento da sociedade você percebeu que se uniu a alguém que não possui os mesmos valores éticos que você, tente acabar imediatamente sua sociedade. Mas, se isso não for possível, mantenha sempre os olhos abertos e a mente blindada para esse tipo de pessoa. Astutos e dissimulados, eles são sociopatas capazes de passar por cima de tudo e de todos para alcançar seus objetivos.

Sócio preguiçoso – O alinhamento de papel societário de cada membro é muito importante. Não importa o tamanho da contribuição de cada sócio, nem se é mais ou menos importante os papéis, o que vale realmente é que tudo que for combinado, seja feito com presteza e boa vontade. Poucas coisas na vida são tão incomodas quanto a sensação de carregar alguém nas costas. Se ambos entraram com capital social proporcional e possuem papéis parecidos na operação, mãos à obra!

Por fim, quero deixar um recado.

Sociedade pode ser um excelente casamento, mesmo sem a presença do sexo. Sócios bons são amigos que fazemos questão de conviver sempre que temos oportunidades. São pessoas que confidenciamos nossas fraquezas e pedimos auxílios para questões pessoais. Se você quer ter sucesso como sócio de alguém, procure transformá-lo em amigo e gostar genuinamente dessa pessoa. Se por acaso, após algumas tentativas isso não for possível, considere a possibilidade de um ‘divórcio’. O final de uma sociedade não é o fim do mundo, possuo vários ex-sócios, alguns ficamos amigos e outros nem tanto, mas com cada um deles aprendi alguma coisa que me transformou no profissional e na pessoa que sou hoje. Por isso, sociedade é uma forma de desenvolvermos as habilidades e inteligências que são fundamentais para alcançarmos triunfos no empreendedorismo. Gaste tempo se dedicando a escolher, combinar e constituir uma sociedade. Acorde um possível fracasso do negócio e a forma como iram lidar com as divergências entre vocês. Coloque tudo isso num contrato e mergulhe no desafio!

Um grande abraço e muito sucesso!

 

Vinicius Almeida Carneiro

CEO Evolute Profissionalizantes e Idiomas

Deixe seu comentário